TEXTOS, CRÔNICAS, REFLEXÕES

Um tal atrito


Contaram-me uma historinha nos meus anos razoavelmente bem aproveitados na faculdade. Era sobre um tal de atrito. Ele apenas aparecia quando ocorria o movimento, contrário a este, como uma resistência natural e inata.

Aprendi que existia um que chamávamos de estático e outro, de dinâmico. A força necessária para vencer a força derivada do atrito estático é maior do que a força para vencer o dinâmico. Ou seja, fazemos mais força para tirarmos um objeto do lugar do que para manter o objeto sob movimento. É o que a lei da inércia já falava.

Eles só podiam ter dado um toque sobre o sentido! Já que sair de uma situação exige mais energia do que se manter em uma, então é de suma importância verificarmos pra onde estamos nos empurrando, né?

O mais legal dessa história é que o atrito só não existia em considerações ideais. Caso contrário, já podia contar com ele lá.